introdução alimentar – Método BLW e a sujeira que faz bem!

Continuando sobre Introdução Alimentar…(veja o post anterior a seguir)

Introdução alimentar

Mamãe e papai apresentando novos sabores para sua filha.

Acredito que não exista uma fórmula secreta, o melhor método ou o que garanta “sucesso” de forma mais rápida. Como já falado no outro post, essa é a fase de apresentação dos alimentos, o bebê tem tempo para se adaptar a nova rotina alimentar. Li uma frase essa semana que resume bem o que pretendo deixar de mensagem para vocês “Cuidar da introdução de alimentos de um bebê é apenas dar espaço para as tentativas dele de se aproximar do cenário alimentar” – Fabiolla Duarte.

Praticado por algumas famílias o Baby Led Weaning – BLW é um método de Introdução Alimentar que dá total autonomia ao bebê, nele é permitido, com supervisão que o bebê coloque a comida em sua própria boca. Não há oferta de papinhas ou outros alimentos utilizando qualquer tipo de talher. O bebê é colocado sentado à mesa para compartilhar com a família todas as refeições, lembrando que é importante escolher alimentos saudáveis (a alimentação equilibrada é importante em todas as fases da vida).

Embora, ainda limitado o número de estudos sobre o BLW, existem benefícios:

  • Proporciona total autonomia no controle da fome (comer por necessidade e não por vontade) e da saciedade (comer o necessário para saciar a fome e não por gula);
  • Oferece oportunidade ao bebê de conhecer os alimentos por suas diferentes características (formas, cores, cheiros, texturas e sabores), criando um repertório alimentar incrivelmente variado;
  • O bebê aprende as funções orais de acordo com a evolução de suas habilidades: morder, mastigar e engolir, em uma ordem fisiológica e natural, durante um período em que está fisiologicamente preparado para prevenir os engasgos.
  • Estimula a autonomia e, ao contrário do que muita gente pensa, o interesse pelos talheres e copos desde muito cedo, desde que sejam dadas as oportunidades;
  • O bebê torna-se mais disponível para experimentar coisas novas, afinal ele pode escolher comer ou não caso o alimento não desperte o seu interesse;
  • Inúmeras oportunidades de desenvolvimento motor;
  • Melhora o relacionamento com a comida e com o ato de comer;
  • Garante refeições mais prazerosas e maior interação entre pais e filhos.

Aos seis meses de vida o bebê começa a sentar sem apoio do tronco, já consegue pegar os alimentos e levá-los à boca, passa de uma mão a outra, além de ter a mastigação e deglutição mais coordenada e diminuição do reflexo de protusão da língua.

Neste método é essencial que o bebê demonstre estar pronto para começar, esteja atenta aos sinais, mas evite criar expectativas, algumas vezes o bebê não está totalmente pronto na data exata dos seis meses.

Lembre-se que o leite ainda será a fonte principal de nutrientes durante essa fase.

De forma geral, no BLW o bebê come o que a família está comendo, cuide para que a alimentação de toda família seja saudável e balanceada, opte sempre por alimentos naturais e minimamente processados. Prefira alimentos orgânicos e evite alimentos industrializados. Não é necessário adicionar sal ou açúcar nos alimentos, o paladar do bebê esta em construção, é importante ele aprender a diferença dos sabores de forma variada e natural.

Os alimentos precisam estar cortados em tamanhos maiores que o punho do bebê (corte os alimentos em formatos circulares no sentido do comprimento, em formato de “batata frita”) e firmes o suficiente para não serem esmagados entre os dedos, mas moles o suficiente para serem esmagados com a força das gengivas (cozinhando-os na água ou no vapor, a consistência ideal é a de legumes para salada).

Você pode oferecer alimentos amassados ou processados, caso a família esteja compartilhado uma refeição dessa forma, porém deixe que o bebê tente levar a boca, seja chupando os dedinhos, ou molhando a colher e levando-a a boca (sim, vai sujar e muito, mas será delicioso).

Não existe o alimento ideal para se começar, o ideal é que você ofereça aquilo que esta sendo compartilhado por toda família a mesa. Sugiro alimentos macios, fáceis do bebê segurar, como por exemplo, cenoura em tirinhas, batata e outros legumes bem cozidos, raminhos macios de brócolis e couve flor, tiras de frutas macias como banana, mamão, abacate, etc.

Ofereça alimentos variados, três a cinco alimentos diferentes em cada refeição, disponha apenas um pedaço por vez, repondo conforme aceitação do bebê, lembrando que mesmo que o bebê recuse um determinado alimento devemos oferecer diversas vezes.

Nas principais refeições (café da manhã, almoço e jantar) é importante oferecer pelo menos um alimento energético (qualquer variedade de batata, inhame, aipim, cará, abobora, abacate, banana, azeite, arroz, macarrão, carnes em geral, feijão e outras leguminosas) para garantir adequada oferta calórica.

Para diminuir o risco de deficiência de ferro:

Ofereça um alimento rico em ferro de alta disponibilidade em cada refeição (carne bovina, frango e peixe).
Importante: Comece oferecendo as carnes de forma desfiadas umidificadas (molho ou purê) em pequenas porções, ou bem cozidas, macias, cortadas em tiras ou cubos, no sentido transversal das fibras (assim os pedaços que se soltam ficam pequenos e fáceis de mastigar), ou também, carnes moídas em formato de hamburguer, almôndega ou croquete. Conforme o bebê for adquirindo o movimento de pinça, o ideal é cortar em pedaços bem pequenos, desfiados ou carne moída, até que ele tenha habilidade para mastigar pedaços maiores.

Ofereça com regularidade os alimentos ricos em ferro de média e baixa disponibilidade (vegetais verde-escuros, feijões, grão de bico, lentilha).

Utilize receitas como, por exemplo, bolinhos para oferecer com segurança os alimentos que o bebê não consegue agarrar no princípio (vegetais folhosos verde-escuros).

Não atrase a introdução alimentar para além dos 6 meses de idade.

Para melhorar a absorção de ferro deixe os grãos integrais (arroz integral, feijões, grão de bico, lentilha) de molho em água com limão por 12 horas, descartando a água do remolho antes de cozinhar.

Adicione um pedaço de carne bovina na água de cozimento de legumes e feijão.

Ofereça uma fruta rica em vitamina C junto com as grandes refeições: laranja, tangerina, morango, manga, abacaxi, kiwi, carambola, pêssego, etc.

Uvas e outros alimentos neste formato (tomate cereja, cerejas, jabuticaba, ovo de codorna, etc…) podem ser oferecidos desde que cortados longitudinalmente em duas ou quatro partes, devido ao alto risco de “entupir” a glote.

Retire sempre sementes e caroços!!

O BLW é um dos métodos para ensinar o bebê a se alimentar, tenha paciência e mantenha a calma, a Introdução Alimentar é apenas uma fase, extremamente importante, mas que deve ser encarada de forma natural, seu bebê vai “comer”!!

O mais importante é garantir que seja um momento agradável e prazeroso para toda a família.

Lembre-se que eu estou disponível para esclarecer dúvidas!!

FONTE: Guia Prático BLW (@conalcolab)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.