Brincadeiras de infância

Apesar da quantidade de jogos que podemos encontrar, muitas vezes nossos filhos não sabem como aproveitar seu tempo livre. A televisão e as novas tecnologias não podem ser suas principais opções. Quando lembramos das nossas brincadeiras de criança, nos faz pensar que, sim, era possível viver sem as tecnologias que hoje muitas vezes escravizam a nós e aos nossos filhos. Não vou entrar no mérito da questão dos malefícios ou benefícios destes aparelhos, mas a televisão, celular, computador e os tablets não podem, e não devem, serem as únicas opções, é preciso limitar seu tempo de uso e ajudar a desenvolver sua criatividade e imaginação com outras possibilidades.

Vamos lembrar de algumas brincadeiras? Acaso vocês recordam de haver jogado os piques da vida ( pega pega, pique bandeira, pique pega corrente, pique esconde), mamãe da rua, amarelinha ou passa anel?  Todos essas brincadeiras com que crescemos podiam ser o passatempo perfeito para jogar com nossas crianças, mas às vezes por falta de tempo, espaço ou até mesmo memória, não as proporcionamos. Se é por falta de memória,  aqui vamos relembrar algumas. Todos podem participar: papai, mamãe, vovó, vovô, irmãos, sobrinhos e amigos. Algumas brincadeiras nem necessita de muito espaço. Anime-se, os adultos aqui somos eu e você e os pequeninos só estão esperando para aprender TUDO com a gente!

Então vamos lá?

Amarelinha: Para brincar de amarelinha é preciso desenhar no chão um caminho dividido em casas numeradas. Após jogar uma pedrinha em uma casa – em que não poderá pisar -, a criança vai pulando com um pé só até o fim do trajeto. Ao chegar, deve retornar, apanhar a pedrinha e recomeçar, dessa vez, atirando a pedra na segundo quadrado e assim respectivamente. O participante não pode pisar, perder o equilíbrio ou jogar a pedra na risca nem atirá-la fora da risca. Se isso acontecer, ele perde a vez. Vence quem completar o percurso primeiro.

 

Bambolê: o cano em formato de círculo exige muito da coordenação global dos nossos pequenos. O objetivo é conseguir manter o bambolê girando pelo maior tempo possível. Quanto a parte do corpo a utilizar para poder girar o bambolê pode variar de acordo com a destreza das crianças: pés, braços, cintura, pescoço.  

Cabo de guerra: para ficar interessante, quanto mais participantes melhor. Dividir;los em 2 grupos.  Marque o centro da corda com uma fita. Posicione sobre uma marcação no chão(linha central) com uma vareta.  Em fila, cada grupo deverá puxar uma das pontas da corda. O primeiro time que conseguir puxar pelo menos um dos adversários para frente da linha central será o vencedor.

 

Elefantinho colorido:  Um participante é escolhido para ser o líder. Ele fica à frente do grupo e diz: “Elefantinho colorido!”. Os outros respondem: “Que cor?”.O líder grita o nome de uma cor e os jogadores correm para tocar em algo que tenha aquela tonalidade.O próximo comandante será aquele que encontrar a cor primeiro!

-Mamãe da rua (ou mamãe posso ir): Para esta brincadeira vamos necessitar de um pouco mais de espaço. Trace duas linhas no chão com uma distância de pelo menos 3 metros entre elas. Quem for escolhido para ser a ‘mamãe’ ou o ‘papai’ ficará à frente de uma das linhas, de costas para o resto do grupo, que estarám enfileirados lado a lado sobre a linha oposta. Um a um, eles tentam chegar até a ‘mamãe’ recitando o seguinte diálogo:

– “Mamãe, posso ir?” – pergunta o jogador. – “Pode” – a ‘mamãe’ responde.- “Quantos passos?” – pergunta o jogador. A ‘mamãe’ escolhe o número e o tipo de passo que o participante deve andar. Por exemplo:- “um, de elefante”

De acordo com o que a ‘mamãe’ responda, os participantes caminharão (sempre imitando o andar do animal correspondente). Vence quem chegar primeiro até a mamãe.

Mimica: esta brincadeira é super divertida e envolvente porque se pode variar o tema segundo o interesse do grupo (animais, desenhos, personagens, filmes, ações). A idéia é que cada integrante faça uma mímica e os demais terão que descobrir.

-Morto-vivo: Um participante ficará à frente do grupo. É ele quem vai dar as instruções que devem ser obedecidas pelos outros jogadores. Quando o líder disser: “Morto!”, todos ficarão agachados. Quando o líder disser: “Vivo!”, todos darão um pulinho e ficarão de pé. Quem não cumprir as ordens é eliminado, até sobrar um só participante, que será o vencedor e o próximo líder.

Passa anel : Uma criança fica com o anel, enquanto as outras do grupo se sentam uma ao lado da outra com os braços apoiados no colo e com a palma das mãos unidas. A “escolhida” segura o anel entre a palma das mãos e passa as mãos pelas mãos dos amiguinhos. Quando resolve parar, abre as mãos mostrando que estão vazias e pergunta para um dos participantes: “Com quem está o anel?”. Se ele acertar, será o próximo a passar. Se errar, quem recebeu o anel é que passará.

-Pedrinha (ou cinco marias): As “marias” são saquinhos de pano cheios de areia. O objetivo deste jogo é pegá-las do chão, jogando cada uma delas para o alto sem soltar as anteriores, em sequências cada vez mais difíceis. Quem erra perde a vez e depois retoma de onde parou. Ganha quem avançar mais fases

-Pique em suas variedades : Pique bandeira: as crianças são divididas em dois times. Cada grupo fica com um lado da quadra. Na linha de fundo do campo de cada grupo fica a bandeirinha do time. O objetivo do jogo é roubar a bandeira do adversário e proteger a sua, tudo isso atravessando os campos correndo. Se algum participante for pego, ele precisará ficar paralisado no lugar. O time que resgatar a bandeira primeiro é o grande vencedor!

Pular Elástico: para esta brincadeira é necessário a participação de 3 participantes: 2  que estarão distantes 2 metros um do outro, colocam o elástico ao redor de suas pernas, formando um retângulo. O terceiro participante se posiciona ao lado do elástico esticado e pula no vão do retângulo, com uma ou duas pernas.Os pulos são alternados de acordo com sequência estipulada pelos participantes e também de acordo com a movimentação do elástico, que sobe, desce e cruza.

-Pula corda: No jogo básico dois participantes seguram cada um uma ponta da corda, batendo-a em círculo e de forma ritmada enquanto o terceiro integrante pula, assim que ela tocar o chão. Para deixar o jogo mais divertido tanto o ritmo das batidas quanto os pulos podem variar. Quanto maior o número de jogadores e mais rápido o ritmo mais difícil fica. As canções deixam a brincadeira ainda mais divertidas.

Queimada:  Primeiro, os jogadores devem ser divididos em duas equipes – cada uma ocupa metade da quadra. Neste jogo, a bola é usada para atingir membros do time rival. Se eles conseguem agarrá-la, estão salvos. Se são queimados (quando a bola tocar alguma parte do corpo deles e cair no chã), vão para o fundo do campo adversário, chamado morto ou cemitério. Vence o time que eliminar todos os participantes da equipe concorrente.

-Quente e frio: pedir que a criança esconda um objeto e os demais devem procurar. A medida que estão aproximando do objeto, a criança que escondeu diz “está quente”, se está distanciando se diz “está frio”, ou se está mais ou menos perto se diz “está morno”

 -Telefone sem fio: Todos se sentam em um círculo, um ao lado do outro, e a brincadeira começa com um dos participantes elaborando uma frase e dizendo-a bem baixinho no ouvido do participante que estiver ao seu lado. Este repete a frase, como a ouviu, para a próxima pessoa e assim sucessivamente até o último jogador, que deve dizer a frase em voz alta.

 

 

Para ser mais divertido, escreva cada uma dessas brincadeiras em um pedaço de papel. Dobre e coloque-las em uma caixinha. Se um dia não sabe o que que fazer, tire o papelzinho e brinquem com a que tirou. Se vocês querem mais dicas sobre brincadeiras, entre no “Mapa do Brincarque aí tem um montão de idéias, de acordo com cada região.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.