O leite é tão especial que ganhou um dia só dele!

24 de Junho, Dia Internacional do Leite

Não existe consenso sobre qual é o dia do leite. A FAO celebra o Dia Mundial do Leite desde 01 de junho de 2001 com o objetivo de alertar a população sobre a importância dos lácteos para a manutenção de uma alimentação equilibrada. Contudo, existe o Dia Internacional do LeiteDia Internacional do Leiteben, comemorado no dia 24 de Junho. Até diretor da Embrapa gado de leite não soube responder essa pergunta. É sério! Veja aqui no site da Embrapa

Nós aqui da Comtac Kids and Care adoramos leite e não nos importamos em celebrar duas vezes a importância deste alimento e incentivar o consumo dele em todas as idades e de diferentes maneiras.

Os humanos domesticaram o gado a muito tempo atrás e seu consumo está ligado à nossa história. A importância nutricional do leite na alimentação é reconhecida desde a antiguidade. O filósofo grego Hipócrates, considerado o Pai da medicina, se referia a ele como “um alimento muito próximo da perfeição”.

Ainda hoje considerado o mais nobre dos alimentos, o leite tem grande importância na alimentação humana. Um dos poucos que tem um dia para celebrá-lo. Rico em proteínas, carboidratos, gorduras, sais minerais e sempre destacado pela presença do cálcio.

O cálcio exerce um papel fundamental na formação, desenvolvimento e manutenção da massa óssea ao longo da vida. No leite ainda encontramos proteínas, principalmente a caseína, que apresenta alta qualidade nutricional e é muito importante na fabricação dos queijos, e a albumina, de alto valor biológico (aminoácidos essenciais). Ambos auxiliam na formação e na manutenção dos tecidos do organismo.

Além de dar energia e conter gordura pouco saturada, o leite é um dos alimentos de origem animal com menos colesterol, reunindo em suas propriedades vitaminas A, B1 e B12 e sais minerais essenciais como o fósforo, que ajuda na formação dos ossos, e o manganês, que auxilia no funcionamento do cérebro.

O leite é importante para o organismo durante toda a vida, mas em diferentes funções e pode ser dividido em três fases:

Infância: participa da formação e do desenvolvimento do organismo como fonte de proteína, sais minerais e gordura;

Adolescência: oferece condições para o crescimento rápido com boa constituição muscular óssea, e endócrina;

Adultos:  é fonte de cálcio, essencial na manutenção da integridade dos ossos, principalmente nos idosos.

Um alimento tão consumido e importante para nós durante tanto tempo ainda sobre com mitos e preconceitos. Vamos aprender mais e viver melhor!

O Tonico e o seu bigode… rs

Leite desnatado é o leite integral com água;

Leites desnatado e semidesnatado têm menos gordura do que a versão integral. No entanto, o desnatado passa por um processo industrial que remove parte da gordura. É importante lembrar que,  segundo os nutricionistas, este processo elimina também algumas vitaminas lipossolúveis e alguns minerais presentes no leite integral.

Adultos não devem tomar leite;

Segundo o médico e apresentador Drauzio Varella, o leite é um dos alimentos mais nobres e altamente calórico, tem proteínas, etc… e somente uma parcela pequena que tem alergia(…) um alimento como esse, que é barato, comparado com os outros, com esse valor energético e proteico do leite não deve ser dispensado e nem tratado como vilão.

O leite não deixa de ser nutritivo quando nos tornamos adultos. Apenas incorporamos outros alimentos em nossa dieta com outros nutrientes que não estão presentes no leite. O que acontece é que o adulto produz menos a enzima digestiva do leite ao longo do tempo, isso não significa que todos nos tornamos intolerantes à lactose.

Não se pode tomar leite com manga; 

Pode sim e faz bem! A agourenta reputação dessa mistura não passa de um mito, fabricado intencionalmente na época do Brasil Colonial. Os donos das fazendas não queriam que os escravos o consumissem. Comprar, transportar e manter o gado em condições saudáveis e produzindo leite era caro e muitas destas fazendas tinha os derivados do leite como produto principal.

O leite era, então, um alimento bastante raro, e caro, exclusivo dos patrões, os senhores de engenho. Como eles não queriam que essa preciosidade fosse consumida por escravos, inventaram e espalharam a lenda, que sobreviveu até hoje”, afirma a nutricionista Anita Sachs, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).

Restava, portanto, aos escravos se contentarem com os frutos das mangueiras que, ao contrário do leite, eram abundantes nas grandes propriedades rurais.

De acordo com a engenheira agrônoma Elizabeth Ferraz da Silva Torres, a verdade é que os dois alimentos formam uma combinação muito saudável! “A fruta contém altos teores de ótimos nutrientes, como o caroteno e a pró-vitamina A – além de ser fonte de vitamina C, fósforo, ferro, cálcio, lipídios e proteína”.

Logo, se você gosta de leite e de manga, põe os dois no liquidificador e tome gelado, aproveitando que a manga fica mais abundante no verão (Dezembro e Janeiro) em quase todos os estados. Só vai te fazer bem!

Bom mesmo é tomar leite tirado direto da vaca!

O leite de vaca (ou de outro animal), quando consumido cru após a ordenha pode estar contaminado por uma grande quantidade de microrganismos provenientes do próprio animal, ordenha ou utensílios. Por isso, consumí-lo neste estado é arriscado. No Brasil sua comercialização é proibida.

Leite pasteurizado ou de caixinha perde os nutrientes

Desde a descoberta do fogo, a humanidade utiliza altas temperaturas para conservação dos alimentos e eliminação de micro-organismos. Fazemos isso antes mesmo de saber que existiam micróbios. Como vimos, o leite é um alimento rico nos mais diversos nutrientes importantes para a vida, não somente da nossa. A elevada quantidade de água e pH próximo da neutralidade, também é um excelente meio para o desenvolvimento de microrganismos e portanto, estraga rapidamente.

É uma questão que não tem uma resposta simples, tipo sim ou não. O que os especialistas dizem é que o “ideal” seria o consumo do leite cru, de um produtor conhecido (mas é muito difícil criar uma vaca no apartamento… rs). A alternativa é o consumo de leite pasteurizado tipo A , com pouca perda nutricional ao invés do consumo do leite longa vida UHT (de caixinha).

O problema do leite UHT é que ele passa por um aquecimento que chega a 140ºC e essa temperatura elimina boa parte das vitaminas, sensíveis ao calor.

 

Ainda assim, até mesmo o leite UHT possui grande quantidade de cálcio que não deve ser desprezada. Embora exista profissionais que não recomendam o consumo de leite UHT por crianças alegando que para a função construtiva dos ossos e tecidos, este leite não atende as necessidades dos pequenos e que o consumo de cálcio pode ser feito através de outros alimentos folhares verdes e ovo, por exemplo.

Seja qual for a escolha, baixas nutritivas acontecem em quase todos os produtos industrializados. A melhor dica é buscar um equilíbrio entre boa nutrição e segurança sanitária. Outra arma importante é o conhecimento científico e a informação correta para escolher com liberdade.

Conheça os processos e decida sem medo:

Garrafas de vidro retornáveis entregue na porta das casas até o desenvolvimento do sistema longa vida, o leite passou por um significativo processo evolutivo em suas formas de conservação. Voltando mais ainda, a conservação era feita através dos que conhecemos hoje como derivados: coalhada, queijos, ricota, doce de leite, iogurtes, leite condensado e em pó.

O médico francês Luis Pasteur foi o primeiro cientista a compreender o papel dos microrganismos nos alimentos. Em 1837, ele demonstrou que o azedamento do leite era provocado por microrganismos e, em 1860, empregou o calor para destruir microrganismos indesejáveis nos alimentos. Esse processo, muito utilizado atualmente, denomina-se pasteurização.

O leite pasteurizado conhecido como o “leite de saquinho” não necessita de fervura, pois o processo de pasteurização (75 graus Celsius por 15 segundos) já mata todas as bactérias que podem nos causar doenças. Apesar disso, a pasteurização não elimina todas as formas de bactérias presentes no leite. Isto significa que, conforme o tempo passa, as bactérias deteriorantes que ainda sobreviveram à pasteurização vão se reproduzindo e em pouco tempo estragam o leite. O prazo de validade do leite pasteurizado, ainda fechado e sob refrigeração, é de 3 a 5 dias a partir da data de fabricação. Estas datas, juntamente com o carimbo da inspeção sanitária devem ser observadas antes da compra.

Existem também outros processos conhecidos empregados no leite. O processo UHT(Ultra Alta Temperatura) é uma ultrapasteurização, que dá origem ao leite longa vida. Este famoso leite de caixinha possui uma embalagem com diversas camadas a fim de proteger o leite do ambiente externo. No processo UHT, o leite é aquecido rapidamente a temperaturas muito altas (entre 130 a 150 graus Celsius por 2 a 4 segundos) e, por isso, todos os microrganismos do leite são eliminados, permitindo a armazenagem do produto sem refrigeração por aproximadamente 4 meses a partir da data de fabricação, antes de ser aberto.

Ambos os tipos de leite, após abertos, deve ser consumido rapidamente, entre 1 a 3 dias, se mantido na geladeira, ou seja , em temperatura de até 7ºC, não sendo necessário ferver o leite novamente.

Mulheres grávidas devem evitar tomar leite

Imagina só! Uma gestante, que precisa de nutrientes para ela e para o bebê parar de consumir leite! Absurdo! O que todos não devem fazer, não somente as grávidas, é consumir leite “in natura” sem ferver vendido sem fiscalização. O leite pasteurizado em laticínios em vendido nas padarias e supermercados são de consumo seguro. Independente se são tipo UHT (de caixinha) ou em saquinhos.

Quais são os benefícios do leite para a saúde?
O leite é um alimento que contém proteínas de alta qualidade e boa digestibilidade, auxiliando na construção de tecidos e na preservação de músculos, cabelos, unhas, entre outras partes do corpo.

E se eu não tomar leite, terei algum problema?

Para quem não bebe leite por opção ou por intolerância, não há problema algum, desde que ela busque adequar a proteína e o cálcio da alimentação. A opção é adequar a proteína e o cálcio com alimentos ricos nesses nutrientes.

Como referência, a FAO/ONU recomenda consumir três porções de lácteos por dia ou 1000 mg para suprir as necessidades diárias de cálcio. O ideal é ingerir um copo de 200 ml da bebida, uma fatia de queijo de 50 gramas e um iogurte. Pra suprir essa necessidade, o indivíduo pode consumir diversos tipos de alimentos:

Origem vegetal:

Brócolis, couve, repolho-chinês, mostarda chinesa, espinafre, rúcula e verduras escuras em geral. Feijão, feijão branco, queijo de soja(tofu),tahine, amêndoa,  castanha do para, tomilho moído, oregano moído, melado de cana  e cenoura. Frutas como figo, uva passa, damasco e laranja. Cereais: aveia, quinoa e gergelim tostado.

Origem animal:

Ovos e sardinha.

Intolerância à lactose

A intolerância ao leite é causada por fatores genéticos e pode aparecer em qualquer fase da vida. A digestão e a absorção da lactose pelo organismo regride com a idade em todas as pessoas, mas em algumas essa diminuição causa alguns incômodos e deficiências. Aquelas que desconfortos  gastrointestinais relacionadas à má digestão de lactose caracterizam que o indivíduo é intolerância à lactose.

Entre os sintomas, podemos listar:

  1. Excesso de gases intestinais;
  2. Náuseas e vômito;
  3. Diarréia.

Procurar um profissional de saúde e realizar um diagnóstico correto, já que outras causas levam aos mesmos sintomas. O diagnóstico é realizado com exame de sangue, de fezes ou com dosagens de hidrogênio expelido pela respiração. Na criança, normalmente, é retirado o leite da dieta e observada a melhora clínica.

Para os intolerantes, é recomendado a retirada de produtos lácteos da alimentação é substituí-los por outra fonte de cálcio. Para aqueles que gostam de leite há também muitos alimentos sem lactose no mercado.

É importante lembrar que, em pequenos graus de intolerância, pode-se consumir produtos a base de leite fermentado ou suplementos de lactase. No entanto, os produtos para os casos mais graves, até mesmo estes produtos podem causar desconforto. A legislação permite que um alimento classificado como Zero Lactose possuir uma quantidade de até 100 mg por 100g ou mL [de lactose], por isso e principalmente a quantidade consumida%u200B, poderá ser observado alguns sintomas. Não é porque é zero lactose ou reduzido teor de lactose que deve-se consumir à vontade.

A resolução da Anvisa RDC Nº 135, de 8 de fevereiro de 2017, define que as informações de lactose no rótulo equivale:

Abaixo de 100 mg/100 g ou ml – Não contém lactose
De 100 mg até 1g/100g ou ml – Baixo teor de lactose
Igual ou acima de 100 mg/100g ou ml – Contém Lactose

Referências para saber mais:

 Conheça mais do leite que você toma. Mariana Vieira da Silva e Rebeca Camacho Dalla Dea / ESALQ/USP

Controle Rápido da Eficiência e segurança do Processo de Pasteurização do Leite. – Adriana Oliveira de Almeida / UNESP

Produtos de época por mês – CEASA – Campinas

Manga com leite faz mal? – Cristina Ramalho / Superinteressante

Dia Mundial do Leite: descubra mitos e verdades sobre o alimento – Giulia Roriz e Karina Amaral / Correio Braziliense

Mais prático, menos nutritivo – Maria Claudia Serra / O Globo

Dia Mundial do Leite, uma data para ser muito comemorada – Embrapa

Qualidade do leite rastreada – Paulo Martins / Embrapa

Um bate-papo com Drauzio Varella (#Pirula 196) Canal do Pirula

Dia Internacional do Leite – 24 de junho de 2015

Ciência do Leite

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.